Estudos

DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS

Disfunções Sexuais Masculinas

(Segundo o DSM-5, Classificação internacional de doenças)

1- Ejaculação Retardada: Retardo acentuado na ejaculação ou baixa frequência marcante ou ausência de ejaculação que ocorre em 75 a 100% das vezes por pelo menos seis meses, causando sofrimento significativo para o indivíduo. E não é explicada por um transtorno mental não sexual ou como consequência de perturbação grave de relacionamento ou de outros estressores importantes e não é atribuível aos efeitos de alguma substância/medicamento ou outra condição médica.

2 - Transtorno Erétil: Pelo menos um dos três sintomas (dificuldade acentuada em obter a ereção durante a relação sexual ou dificuldade acentuada em manter uma ereção até o fim da atividade sexual ou diminuição acentuada da rigidez erétil). Os sintomas devem ocorrer em 75 a 100% das vezes por pelo menos seis meses, causando sofrimento significativo para o indivíduo. E não é explicada por um transtorno mental não sexual ou como consequência de perturbação grave de relacionamento ou de outros estressores importantes e não é atribuível aos efeitos de alguma substância/medicamento ou outra condição médica.

3 - Transtornos do Desejo Sexual Masculino Hipoativo: Pensamentos ou fantasias sexuais/eróticas e desejo para atividade sexual deficientes (ou ausentes) de forma persistente ou recorrente. O julgamento da deficiência é feito pelo clínico, levando em conta fatores que afetam o funcionamento sexual, tais como idade e contextos gerais e socioculturais da vida do indivíduo. Os sintomas devem ocorrer por pelo menos seis meses, causando sofrimento significativo para o indivíduo. E não é explicada por um transtorno mental não sexual ou como consequência de perturbação grave de relacionamento ou de outros estressores importantes e não é atribuível aos efeitos de alguma substância/medicamento ou outra condição médica.

4 - Ejaculação Prematura (Precoce): Padrão persistente ou recorrente de ejaculação que ocorre durante a atividade sexual com parceira dentro de aproximadamente um minuto após a penetração vaginal e antes do momento desejado pelo indivíduo. Os sintomas devem ocorrer em 75 a 100% das vezes por pelo menos seis meses, causando sofrimento significativo para o indivíduo. E não é explicada por um transtorno mental não sexual ou como consequência de perturbação grave de relacionamento ou de outros estressores importantes e não é atribuível aos efeitos de alguma substância/medicamento ou outra condição médica.

5 - Disfunção Sexual Induzida por Substância/Medicamento: Uma perturbação clinicamente significativa na função sexual é predominante no quadro clínico. Há evidências a partir da história, do exame físico ou de achados laboratoriais de ambos abaixo:

  1. Os sintomas sexuais se desenvolveram durante ou logo após a intoxicação ou abstinência de uma substância ou após exposição a um medicamento.
  2. A substância ou medicamento envolvido é capaz de produzir os sintomas sexuais.

A perturbação não é mais bem explicada por uma disfunção sexual que não é induzida por substância/medicamento. A evidência de uma disfunção sexual independente pode incluir o seguinte: os sintomas precedem o início do uso da substância ou medicamento, os sintomas persistem por um período substancial de tempo (por ex., em torno de um mês) após a cessação de abstinência aguda ou intoxicação grave; ou há outras evidências sugerindo a existência de uma disfunção sexual independente não induzida por substância/medicamento (p. ex., história de episódios recorrentes sem relação com uso de substância/medicamento).

  1. A perturbação não ocorre exclusivamente durante o curso de delirium.
  2. A perturbação causa sofrimento clinicamente significativo para o indivíduo.