Estudos

DISFUNÇÃO ERÉTIL

DISFUNÇÃO ERÉTIL

A Disfunção Erétil é um tabu para muitos homens. Eles têm grande dificuldade de falar de sua sexualidade e de ter sua masculinidade questionada. Assim, a perda da ereção gera vergonha e sentimento de fracasso que dificultam a comunicação do problema.

A falta de conhecimento sobre o assunto também influencia nesse tabu.

Segundo a classificação internacional americana (DSM-5) só se considera Transtorno Erétil se a disfunção ocorrer em 75% ou mais das vezes. Porém, muitos homens já ficam ansiosos quando falham apenas uma vez e essa ansiedade gera descarga de adrenalina que colabora para a perda da ereção.

A disfunção erétil pode ser causada por questões psicológicas, vasculares, neurológicas, hormonais, medicamentosas e outras. Porém, o leigo em geral desconhece a importância de um diagnóstico correto.

A dificuldade de falar sobre o assunto faz com que os homens retardem a procura de ajuda.

Portanto, é prudente que sejam realizadas, pelo menos, avaliações com urologista e com profissional de saúde mental.

O paciente deve ser informado que a disfunção erétil é um problema muito comum e que o melhor tratamento para cada caso precisa de um diagnóstico correto. Tratar um homem com fobia social e Disfunção Erétil é diferente de tratar um homem com hipotireoidismo, depressão e Disfunção Erétil.

Os famosos comprimidos azuis podem auxiliar muito na boa evolução do quadro. Porém, a abordagem biopsicossocial de cada paciente torna o prognóstico bem mais favorável.