Saúde Sexual do brasileiro ainda é tratada como tabu, aponta o Instituto de Estudos da Sexualidade (IES)

Falta de conhecimentos, estresse, mudanças sociais e outros fatores estão prejudicando as relações íntimas; Dia Mundial da Saúde Sexual, celebrado em 4 de setembro, alerta sobre a importância de se debater o tema

O Dia Mundial da Saúde Sexual é celebrado em 4 de setembro, mas o brasileiro não tem muito a comemorar. Segundo o médico psiquiatra e sexólogo Arnaldo Barbieri Filho, diretor do Instituto de Estudos da Sexualidade (IES), de Ribeirão Preto (SP), sexo ainda é um tabu. “Temos de tratar o assunto como qualidade de vida, saúde, pois boa parte da população possui uma visão equivocada e pouco conhecimento sobre a área”, explica.

Segundo o sexólogo, as doenças contemporâneas, como o estresse, por exemplo, podem prejudicar o prazer. “Quando estamos em situação de estafa, liberamos substâncias como adrenalina e corticoide, elas atrapalham a sexualidade. A adrenalina pode ocasionar disfunção erétil ou ejaculação precoce nos homens”, aponta.

“As transformações sociais também alteraram a sexualidade, principalmente, a dos homens, que estão cada vez mais inseguros com a liberação feminina. No passado, ele se casava com uma mulher virgem, que não o comparava com ninguém. Hoje, com a mulher moderna, surge a insegurança, pois o homem é avaliado com os outros. Em minha rotina médica, encontro muitos jovens de vinte e poucos anos que são virgens. O que pode ser em decorrência de medo, e isso faz com que ele deixe de ter um relacionamento íntimo”, comenta Barbieri Filho.

De acordo com Barbieri Filho, as mulheres também sofrem com problemas sexuais. “Segundo o Estudo da Vida Sexual do Brasileiro” realizado pela sexóloga Carmita Abdo, cerca de 30% das mulheres de nosso país têm dificuldades em atingir o orgasmo. As causas da falta de orgasmo podem ser psicológicas, como repressão sexual na infância, traumas sexuais ou doenças como a depressão.  As razões podem ser físicas, como as alterações hormonais ou o uso de certos medicamentos”, diz.

Sexo Virtual – “Atualmente as pessoas vivem mais as suas fantasias por meio de filmes e sexo virtual. Às vezes acontecem exageros e ocorre a substituição do relacionamento físico pelo imaginário, o que pode se transformar em um problema, pois elas deixam de participar da realidade”, observa Barbieri Filho

“É importante dizer que no sexo, dentro de quatro paredes, vale tudo, desde que não seja ilegal ou que cause danos aos envolvidos. Tem de haver acordo comum”, finaliza Barbieri Filho.

Deixe um comentário